domingo, 13 de outubro de 2013

Bruxa: ser ou não ser, eis a questão!



Demorei, mas voltei! \o/

Primeiro quero agradecer a cada comentário e recadinho que tenho recebido no blog. Nunca imaginei que tantas pessoas acessavam a minha humilde página e curtisse o conteúdo dela.
Aos pouquinhos tenho feito mudanças nesse espaço para adequar o blog cada vez mais ao seu intuito: falar sobre magia/espiritualidade e afins, sem tabus, preconceitos ou idéias fechadas.
Quero falar sobre as experiências reais, as sensações do dia a dia, da magia que passa despercebida sobre os nossos olhos e que as vezes deixamos de notar.
Mais uma vez, obrigada a todos que me lêem e curtem cada mal traçada linha. <3

Afinal de contas, o que é ser bruxa?
Acredito que a maioria já sabe que as bruxas não são mulheres de cara verde, verruga na ponta do nariz e chapéu pontudo. Bruxas são mulheres fortes, decididas, intuitivas e com o dom mágico de sentir a natureza, o que obviamente, inclui a mediunidade como parte de tudo isso.
E desculpem os meninos, mas hoje estou aqui para falar das BRUXAS e não dos Merlins! :)

Ser bruxa não é realizar feitiços para qualquer coisa, manipular pessoas e decidir os seus destinos por elas ou só praguejar. Aliás, isso é coisa de quem não tem vontade nenhuma de evoluir espiritualmente e gosta mais é de confusão do que de ser feliz. #XôBichoRuim!
Ser bruxa é poder sentir as energia do mundo e aprender a lidar com elas de acordo com o seu Kharma.
Se estamos falando de bruxas, estamos falando de mulheres.
Sim, aqueles seres complicados que sofrem TPM, menstruam todos os meses e tem os hormônios mais loucos da face da terra...opa, peraí que eu também sou uma mulher!Tinha esquecido por alguns segundos, mas a cólica me lembrou. rs...

Muitos mais do que seres hormonalmente instáveis (como muitos homens adoram dizer que somos assim, mas somos mais equilibradas do que eles acham!), mulheres são as portadoras do segredo da vida, possuem a sensibilidade de entender muito além do que se enxerga. E controlar o turbilhão de emoções, sentimentos, pensamentos e atitudes, não é fácil não, produção!
Entender o que é ser mulher é o início de se entender como bruxa, faz parte do processo de auto conhecimento e da busca da compreensão humana. Afinal, lidamos também com outras mulheres, não é mesmo?
O sagrado feminino é a forma de culto à mulher e as deusas que transmitem essa ~energia mulherzinha~ para nós. Aliás, cultuar o nosso corpo e espírito feminino, é uma forma de cultuar as Deusas que moram dentro de nós.

Exercícios de observação e auto conhecimento

1 - Observe o seu ciclo menstrual analisando junto ao calendário lunar do mês e responda para si mesma as seguintes perguntas:
. Quantos dias você menstrua?
. Quanto dias de TPM você tem em um mês?
. Em qual lua se situa os seus ciclos (TPM, menstruação, dias férteis...)?
. Você sente quando o seu corpo está fértil?
Em casos de uso de anticoncepcional, vale o mesmo esquema do exercício.
Em casos de anticoncepcionais que barram a menstruação, também, afinal, você não menstrua, mas o seu ciclo continua ali.

2 - Se auto observe como ser humano.
. Antes de tomar uma atitude imagine por alguns minutos que você é apenas telespectadora da sua vida. Qual atitude será melhor? Qual será o resultado da sua atitude? Porque você tomaria aquela decisão?
É uma análise de pós e contras que fala muito mais sobre você e para você mesma.
Neste momento deixe de lado todos os tabus, preconceitos, receios e medos. Se abra de mulher para mulher. Abra você para você mesma. Serão quatro paredes e duas pessoas únicas e exclusivas que se entenderão melhor: você e seu EU interior.

E se quiser compartilhar comigo as suas experiências, estamos aqui para isso também! :)

Continuamos no próximo capítulo...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Um comentário:

Mandala disse...

A capacidade de se auto conhecer pra mim é uma grande qualidade. Eu bem que tento o segundo exercício mas creio que preciso tentar mais. Rsrsr. Tenho um pavio curto de boa escorpiana que sou e me irrito com facilidade por ter de conviver com muita coisa que desprezo. Já o primeiro exercício eu comecei a fazer logo no fim de 2012 e é realmente maravilhoso estar consciente do meu ciclo menstrual. Eu passei a amar menstruar ao invés de me sentir suja ou incomodada com as cólicas, e é incrível como a sensação deliciosa de recomeço vem junto do último dia de sangramento. Com certeza toda mulher deveria praticar isso desde a menarca!

E Mari, demore o que precisar, mas volte sempre pra gente! A Taberna não pode fechar!=D